"Morde-me a boca"


O sexo é só foder ou também é amor sem saber? Alguém sabe? Alguém quer saber? Não interessa. Essa é que é essa (não gosto desta expressão… só a usei para rimar). Seja como for, o sexo vai além do corpo e do calor. Mas e quando o corpo já não interessa e se acaba o calor? O que é que fica na cama? O que resta da chama? Palavras. Coisas cruas e sem sabor. O que for. Apenas duas pessoas que se comeram com a vontade de saborear coisas boas. Só isso. Tudo o resto levou sumiço (é, as rimas são todas propositadas). E quando tudo se vai, e ficam só as palavras, as palavras já não são palavras, são mentiras. Coisas que não se pensam nem se sentem, mas que se dizem apenas porque são giras. Grande merda. Antes de chegar a essa situação, mais valia as pessoas dizerem “já não tenho tesão”. Não seria grande perda. O que interessava não perder já tinha ido. E levou consigo a honestidade como se ela nunca tivesse existido. Quando o desinteresse ganha lugar e as mentiras começam, mais vale dizer “morde-me a boca com vontade, e faz-me calar se o que eu tiver para te dizer não for verdade”. Talvez aí, nessa dentada, regresse o interesse em menos de nada. Talvez a chama se reacenda como se, aos olhos do desinteresse, a dentada se tornasse uma venda. Depois, acontecia o que tinha de acontecer. Os corpos aproximavam-se e recordavam o sabor um do outro. Ou, então, afastavam-se até esquecer. É a decisão do quente ou frio. Choro ou rio. O morno é uma temperatura desinteressante que leva à apatia do tanto me faz que as coisas sejam boas ou más. Normalmente, é precisamente isso que as pessoas conseguem umas das outras. Morno. A temperatura do casamento sem amor. Da relação sem emoção nem calor. Morno. Uma coisa que deixa a mulher frígida e o homem corno. Se, ao menos, houvesse a coragem para dizer “se não me podes amar, morde-me a boca e faz-me sangrar”.

Cão Sarnento.

7 comentários:

Do Lado de Dentro disse...

Fantástico! Avessa ao comodismo, a repetido, ao igual, ao inodoro, ao sem sabor, ao sem calor.. Só posso concordar em género, número e grau.

"Uma coisa que deixa a mulher frígida e o homem corno". Mais nada.

Belo blog!

Rafeiro Perfumado disse...

Olha que isto pode ser considerado um incentivo à violência doméstica! ;)

Cão Sarnento disse...

Eu gosto de estar "do lado de dentro" das coisas, e mais nada (pronto, também gosto de estar do lado de fora das coisas... ok, eu gosto mesmo é de estar nas coisas)

--

Compadre canídeo (por alguma razão, agora, vem-me à ideia uma tasca), que seja um incentivo para alguma coisa (tudo depende sempre da natureza dos bichos).

Do Lado de Dentro disse...

Ahahah E quem tá dentro, tá dentro..Quem tá fora, tá fora ;)

Beijinhos
Ladiana, DDD, Lady Ladiana... wahtever.. - Ainda não descobri uma alternativa plausível e curta. Já agora, sugestões? =)

Do Lado de Dentro disse...

(já que gostas de estar nas coisas)

Cão Sarnento disse...

Escolhe um nome que diga quem és tu (pelo menos, a tua identidade virtual). O resto não interessa para nada (sei que é uma sugestão vaga... mas o meu nome já está escolhido e tu não devias depender de terceiros para escolher o teu). ;)

Do Lado de Dentro disse...

;)