"Problemas de expressão"


“Aquela gaja tem cá umas melancias, que sim senhor!” Hã? Afinal, o que é que isso quer dizer? A tal de gaja é agricultora? Vende fruta? Sabe escolhê-la? O quê, pá? Não, nada disso. Quer dizer que a tal de gaja tem umas mamas grandes, boas, ou ambos os adjectivos num verdadeiro e apetitoso “dois em um” do catano. Então, por que raio não se diz logo isso? Mamas são mamas, e pronto. E ainda há quem lhe chame melões ou meloas, marmelos e sabe-se lá o que mais dentro do reino das frutas arredondadas. Há, também, os mais, digamos, rústicos que têm uma certa apetência para dizer tetas (vivam as vacas leiteiras, cabras fazedoras de queijo e afins!). Bem, ao menos, esses ainda se mantêm dentro das comparações com partes anatómicas de fêmeas do reino dos mamíferos. Depois há os que dizem peitos e seios. Oh, mas que belo e delicado e certinho (sim, se a ideia for apenas ver e não tocar e/ou estiverem a tirar um curso de medicina). MAMAS, pá! As mulheres têm mamas (pronto, aquelas que efectivamente as têm). As mulheres com mamas grandes são mamalhudas e pronto. E, de maneira nenhuma (mas nenhuma MESMO!) têm peitaça! Isso é coisa que se diz na brincadeira, numa ousadia de sentido de humor arriscado, e só! Não se diz a uma mulher: “gosto da tua peitaça!”. Nunca, pá! “Gosto das tuas mamas!”, e pronto! E se a dita mulher gostar que um gajo goste das mamas dela, o mais certo é haver ali uma boa possibilidade de o gostar com os olhos passar a gostar com as mãos, com a boca e, se as coisas correrem mesmo bem… (think espanholada). Dizer que se gosta das coisas sem metáforas apanascadas pelo meio a meter fastio é meio caminho andado para a acção. Do querer ao fazer é só um instantinho. O que é preciso é dizer-se que se quer como realmente se quer. E quando um gajo olha para uma mulher entre as clavículas e o diafragma, de certeza que não está a pensar em fruta. Se estiver, é um banana (isto não conta com metáfora apanascada; apenas descreve os panascas em si). Gosto das tuas mamas! É assim tão difícil? Mamas, mamas, MAMAS!


Cão Sarnento.


10 comentários:

carpe vitam! disse...

VIVAM as MAMAS!
o melhor anti-stress e anti-depressivo que conheço!
Vivam os colares de pérolas artísticos e hidratantes!
;)

Cão Sarnento disse...

Falar de mamas num país de mamões é mais do que apropriado.
Mas, por outro lado, se as mamas são dignas de aprofundado interesse, os mamões, esses, não interessam nem ao Juvenil Salvador.

carpe vitam! disse...

os mamões também pode ter a sua utilidade.
VIVÁ LIBERDADE!

Bianca disse...

Bom, com mamas, sem mamas, com virgulas ou sem elas... vim averiguar que cão se tratava, eis que é um Sr. sarnento apreciador, à primeira vista, de mamões salvo a fruta!
Um Beijo de Cabra e este Cão. (Não sei bem se a junção agradará, mas...)

Rafeiro Perfumado disse...

O pior é quando elas são tão boas (as mamas) que nem um som sai da nossa boca, tendo de apelar para a linguagem gestual!

Engonha McQueen disse...

Eh lá, a revolução das mamas???:

"Não te quero chamar mamas
que te estou a engrandecer
chamo-te antes pevides
mesmo assim, deixa-me ver
Oh, Maria Faia, Faia Maria"
Zeca Sonso

Cão Sarnento disse...

Então, VIVA! (pelo menos, em ideal)

--

Eu tou cá é para apreciar. Ou, pelo menos, tou cá (o que, tendo em conta que sou um gajo para lá de extraordinário, já é um prodígio festivo!).

--

A linguagem gestual é a única verdadeiramente universal (Matemática CALOU!). E a boca é um magnífico instrumento multiusos muito mais versátil do que um raio de um canivete suíço.

--

"Não te quero chamar mamalhuda
que te estou a engrandecer
chamo-te antes linguaruda
mesmo assim, deixa-me ver
Oh, Maria Engonha, Engonha Maria"

O Zéih (com sotaque alentejano

mjf disse...

Olá!
Mamas é o nome anatomico para as mamas;=))
eheheheh

Beijocas

E disse...

Mirraste, secaste.
É sabido que a seca precede a erosão, o deserto, o nada.

Game over

Cão Sarnento disse...

mjf, de facto. E se alguém tem problemas com isso, certamente que não sou eu.

--

Ó E, isso, dito por ti, não deixa de ser irónico.

(e eu é que sei se Game over ou não... há a função de pause, para depois continuar quando quiser)